29 março de 2019
Robôs estão se tornando importantes aliados para melhorar o desempenho dos trabalhadores
 

Desde os primórdios da ficção científica, os robôs sofreram sob o estigma de intimidação e pavor criado por imagens inapagáveis da cultura pop, como o ameaçador olho vermelho de HAL 9000 e a ameaçadora ameaça do crânio de O Exterminador do Futuro. No entanto, quando você se afasta da ficção científica e entra no mundo real, o potencial para alavancar a tecnologia robótica para ajudar as pessoas é enorme. Os robôs podem servir como ajudantes, companheiros e amigos.

O que muitos especulavam acontecer em um futuro distante, já é realidade ao redor do mundo.  Trabalhadores já estão sendo convidados a abrir caminhos para os robôs. Pesquisas mais recentes sugerem que, quando os robôs ou a tecnologia de manufatura automatizada assumem tarefas repetitivas, os operadores possuem mais tempo para um trabalho mais empolgante e produtivo.

Esse foi o caso de 16 “faróis fabricação”, identificados como parte de um projeto conjunto da Mckinsey e o Fórum econômico mundial apresentado em Davos. Foi concebido por Enno de Boer, um sócio da McKinsey e especialista em manufatura digital, como uma forma de ajudar o crescente número de empresas – cerca de 70% em um  recente – preso no “purgatório piloto”, incapaz de concluir os experimentos de digitalização, fatores como baixo financiamento ou ter um escopo excessivamente ambicioso. O termo farol descreve instalações muito avançadas no uso de tecnologias digitais, automação, análises e robôs, que se destacam como beacons entre seus pares do setor, ou seja, os 16 faróis compartilharão suas lições e ideias com os fabricantes.

A equipe envolvida analisou mil empresas em todo o mundo ao longo de dois anos, desenvolvendo 39 casos de uso, critérios operacionais e fatores de sucesso, que cada instalação possuiria. Quarenta fábricas chegaram ao topo e a equipe visitou a maioria delas para criar a lousa final. Ao longo do caminho, eles analisaram em primeira mão algumas tecnologias inovadoras, como um sistema autônomo de caminhão, trem e enormes sistemas de impressão 3D, além de uma única linha de montagem que oferece a cada minuto um dos sete modelos de carros diferentes. E, claro, a equipe viu muitos robôs, mas a tecnologia nesse caso era para melhorar os papéis dos trabalhadores.

O gerente de engajamento Adrian Widmer pode atestar isso, ele visitou dez empresas na Europa como parte do projeto. “Salvar um local de trabalho importante para gerações foi a principal motivação por trás da digitalização da fábrica da Procter & Gamble Rakona na República Tcheca”, disse ele. A fábrica era a principal empregadora em Rakovník, uma cidade de cerca de 16.000 pessoas, há mais de 150 anos. Mas não muito tempo atrás, o mercado havia mudado rapidamente, e a fábrica de repente se viu sob intensa pressão para melhorar a produtividade. “Os funcionários eram apaixonados”, explica Adrian.

Assim, a P&G iniciou um programa de testes e aprendizado com tecnologias digitais, lançando programas de modelagem e simulação em todas as operações. Convidou todos os seus operadores e funcionários a pensar sobre quais problemas a automação poderia resolver e identificar oportunidades que poderiam impulsionar a produtividade. Eles queriam envolver 100% da organização na transformação. Como resultado, a P&G atualizou seus equipamentos existentes com sensores e novos softwares, incluindo um sistema de controle de qualidade em tempo real. Em 3 anos, conseguiu aumentar a produção em 160% e a satisfação do cliente em 116%. “Porque agora está usando tecnologias de ponta, também pode atrair novos talentos em um mercado muito competitivo”, acrescenta Adrian.

Em outro lugar, Adrian passou um tempo na fábrica da BMW em Regensburg, na Alemanha. Lá, mais de 2.000 robôs executam trabalhos diferentes, às vezes lado a lado com um operador. “Em um caso, a empresa descobriu que as pessoas são realmente melhores que qualquer robô quando se trata de instalar o interior e o motor do carro”, explica Adrian. Mas a BMW também descobriu que parte desse trabalho requer mais força do que o trabalhador típico pode possuir. Por isso, criou um sistema de “co-roboting”, onde a capacidade de um trabalhador é aumentada por uma máquina. “O operador no lado esquerdo do carro guia a instalação enquanto também controla um robô posicionado no lado direito, que pode aplicar um super toque para completar o ajuste sempre que necessário. Portanto, a força não é mais uma barreira à entrada para esse papel”, explica Adrian.

Novas funções que estão abertas a pessoas com as habilidades certas. Isso mostra que a chegada da Indústria 4.0 irá exigir pessoas qualificadas para novas funções, o que significa a necessidade de o governo, as instituições de ensino e as empresas se prepararem para isso, assim como já vem acontecendo ao redor do mundo.

Diego Hermanedez-Diaz, que também visitou empresas que estão se adaptando a nova era industrial e ficou impressionado com o tempo que um fabricante de eletrônicos teve para ajudar seu pessoal a aprender novas habilidades. “Eles construíram uma versão virtual totalmente específica de sua fábrica e os funcionários usaram óculos 3D para percorrer e começar a se adaptar aos novos trabalhos, antes mesmo de as novas tecnologias serem entregues” diz ele.

Enquanto isso, os fabricantes asiáticos em determinados mercados estão usando tecnologias avançadas para aproveitar diferentes oportunidades. O especialista sênior da McKinsey, Forest Hou, visitou oito fábricas em toda a região. Na China, por exemplo, a demanda por mão de obra é alta e os trabalhadores querem passar suas carreiras na vanguarda de suas indústrias. “Assim, as empresas líderes estão implantando tecnologias de inteligência artificial (IA) wearable”, diz Forest, “para fornecer feedback em tempo real sobre o desempenho do trabalhador e melhorar sua eficácia e habilidades, geralmente em questão de horas”.

“Dar às pessoas acesso aos dados as capacita”, diz Enno. “Eles tocam nas telas, veem o que está acontecendo, identificam os motivos de desvio de qualidade e tomam decisões. Operadores em fábricas não-digitais não têm esse controle. Seu gerente apenas lhe entrega um relatório de “ocasião”. O acesso direto aos dados democratiza o processo de trabalho – e coloca-o nas mãos do operador.

Essa é uma tendência familiar para firmar a parceira sênior Katy George. “Mais uma vez”, diz ela, “ouvimos dizer que a maior prioridade entre os líderes do farol é melhorar o pessoal”. Segundo Katy, as empresas estão reunindo forças de trabalho multigeracionais, trazendo novos cientistas digitais, de dados e de inteligência artificial para trabalharem com operadores. com mais de 20 anos de experiência operacional. Eles estão criando academias digitais internas para manter as habilidades de seus funcionários atualizadas. E vários estão estabelecendo relações com escolas secundárias, organizações comunitárias e faculdades locais e estaduais próximas para desenvolver currículos que incluam experiência de trabalho no local.

“Em uma empresa de produtos eletrônicos, o primeiro estágio que havia trazido depois retornou como o primeiro graduado de seu programa de faculdade”, diz Katy. E todos ao redor do Lighthouse Project concordaram: se conseguirmos a próxima geração que está empolgada com uma carreira na manufatura, o futuro pode ser realmente muito brilhante.

Tradução e adaptação do texto: At these facories, robotcs are making jobs better for workers. Link: https://www.mckinsey.com/about-us/new-at-mckinsey-blog/at-these-factories-robots-are-making-jobs-better-for-workers