04 março de 2019
SKA vende impressoras 3D da HP
 

Fonte: Matéria publicada no Portal Baguete, por Mauricio Renner.

A SKA, empresa de soluções para manufatura sediada em São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre, acaba de fechar um acordo para ser o braço exclusivo no Brasil da área de impressoras 3D da HP.

Hoje ainda pequena dentro da HP, a área de manufatura aditiva da companhia é tida como o futuro da empresa, hoje líder em impressão tradicional e uma das maiores no setor de PCs.

“Acredito que a HP já é hoje mais competitiva quando o assunto é impressão em volume. Mais para médio prazo, eles tem mais capacidade de investimento que todos os outros players juntos”, avalia Siegfried Koelln, diretor da SKA.

De acordo com o empresário gaúcho, a HP é especialmente competitiva para impressão em série de peças para até 3 mil unidades, uma escala na qual a tecnologia se torna uma alternativa para o processo tradicional de injeção em plástico.

“Isso é a manufatura do futuro, com produção simplificada e de fácil alteração. Até agora a maioria das empresas está fazendo apenas protótipos nas impressoras 3D, não migrando a produção”, explica Koelln.

A SKA está apostando na HP. A empresa gaúcha trabalha com impressão 3D desde 2012 e era até pouco tempo atrás parceira da Stratasys, tendo uma base instalada de 150 máquinas no Brasil.

Junto com a 3D Systems, a Stratasys é atual líder de mercado, mas ambas empresas sofrem para ter uma receita à altura de toda a falação em torno do assunto impressão 3D.

A HP, por outro lado, vem apostando forte nesse mercado desde 2016, tendo inclusive adquirido o negócio de impressão 3D da Samsung por US$ 1,1 bilhão, a maior de uma série de aquisições focadas no assunto e os executivos da empresa falam em liderança de mercado em um prazo de cinco a dez anos.

A SKA está, por tanto, fazendo uma aposta no futuro da HP em uma das suas principais áreas de negócios.

Não é a primeira vez que a companhia se reposiciona: em 2006, a empresa deixou de ser uma revenda das soluções de CAD da Autodesk, colocando suas fichas no produto da concorrente SolidWorks.

Desde então, a companhia foi a maior revenda da SolidWorks por todos os anos menos um, quando perdeu para a paulista IST. No ano passado, aliás, a SKA fechou a compra da IST, se estabelecendo na liderança isolada entre os parceiros SolidWorks do país.

Junto com a IST, a SKA tem cobertura nacional em todos os centros importantes de manufatura do país, com filiais em São Leopoldo, Caxias do Sul, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Joinville, Curitiba, São Paulo, Americana, São José dos Campos, Sorocaba e Nova Lima.

A SKA começou no ano passado a vender também os produtos da Dassault Systemes, empresa que é dona da SolidWorks.

A linha de produtos SolidWorks, adquirida pela Dassault Systemes ainda nos anos 90, foca em organizações de pequeno e médio porte na área de engenharia, enquanto produtos da Dassault como Catia, Enovia e Simulia focam nas necessidades de design, gestão de ciclo de vida de produto e simulação para grandes organizações, em áreas como defesa e aeroespacial.

Das 12 verticais da Dassault Systemes, a SKA se concentrará nos mercados de equipamentos industriais e transporte e mobilidade, nos quais já tem uma base de clientes representativa.

Incluindo todos as linhas de negócio da SKA e a IST, a empresa atingiu um faturamento de R$ 110 milhões no ano passado.